Pages

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

MORRE MARCELO MORHY



De Laércio Ribeiro
Marabá perdeu, na madrugada desta segunda-feira (5/12), um de seus bons talentos musicais. O artista Marcelo Morhy Guedes morreu, vítima de acidente automobilístico. Marcelo era filho querido da escrivã de polícia Pedrina Maria Morhy Guedes, lotada na Seccional da Nova Marabá.

Em postagem na internet, Morhy deixou escrito: "Sou aventureiro, namorador, brincalhão e amigo..."
E, em outro momento, postou: "Um tocador de violão, ñ pode parar".
O corpo do artista está sendo velado na Igreja da Praça São Francisco, no núcleo Cidade Nova.

6 comentários:

Leo Gomes disse...

Um criminoso ao volante, em uma avenida de uma cidade despoliciada no que se refere ao trânsito no fim de semana, calou a voz de Marcelo. Quantos ainda morrerrão neste país em que o carro é uma arma pior do que um fuzil AR-15, as leis são frouxas e os tribunais lenientes. Nunca vi alguém que tenha matado o outro no trânsito condenado e preso.

Virgílio Ribeiro disse...

A pergunta que me vem a mente é: QUEM MATOU MARCELO? QUEM MATA TODOS OS DIAS OS MARABAENSES NO TRANSITO?, não me venham apontar o criminoso da vez, porque existe um criminoso institucional que está sempre matando e fica sempre impune, mas também não vou apontar o que está no atual comando, porque há muito nada foi feito para se construir ciclovias, calçadas decentes para os pedestres, sinalização das nossas vias, prioridade ao transporte público, punição aos maus motoritas principalmente os de carrões, pois em Marabá quando tem alguma fiscalização só é punido os motoqueiros e mototaxistas.
Marabá faria uma grande homenagem a Marcelo se implantase politicas públicas de um transito sadio, que os agentes do DMTU e do DETRAN passasem a orientar o transito e não ficassem só cobrado multas as escondidas ou nas blits que mais são uma forma descarada de arrecadação.
Está na hora de tornar-mos nossa cidade mais humana, para que pessoas de bem possam andar de bicicletas e não serem assasinadas.
Eu tive o prazer de conhecer o Marcelo e estarei na trincheira diária lutando por uma cidade melhor e não iremos nos acovardar, passarei a andar mais de bicicleta, caminharei pela ruas sem calçadas, mas brigarei todos os dias para que o estado de caos urbano acabe e possamos conviver dignamente com outros "Marcelos" que nascerão.

Anônimo disse...

Nossos sentimentos à família de Marcelo. A via em questão (Transmangueira) é completamente destituída de acostamento, necessario e obrigatorio por lei, e ciclovia, ou seja, é potencialmente candidato a atropelamento quem para/estaciona ou transita pelas suas margens, seja a pé, bicicleta ou moto. Acontece nessa via tambem, ocupação desordenada com construções de barracos à beira da pista, com o beneplácito da SDU órgão responsavel da PMM. Como citado, seria e deveria ser, uma das funções do DMTU, instruir/orientar e, coibir com o intuito de prevenir, ações em locais estratégicos e de potencial acontecimento de ocorrências, principalmente, do famigerado duo, bebida alcoólica x direção. Cito 1 (hum) exemplo : A Orla Marítima na Mab. pioneira, onde diversas pessoas chegam em carros ou motos, aos numerosos bares alí existentes, para continuar ou iniciar bebedeiras, após o quê, entram/sobem em seus veículos e vão "dirigir" como se normais estivessem, sem que nenhum tipo de policiamento seja exercido sobre tais condutores, favorecendo assim, o acontecimento de acidentes. Outro fator negativo, é a parca e deficiente estrutura do orgão fiscalizador. Não se vê agentes nas ruas após 20/21 hs., principalmente nos dias de sábados e domingos, motivos pelos quais, alguns condutores aproveitam para efetuar direção perigosa e/ou contra-mão. Em 06.12.11, Marabá-PA.

Anônimo disse...

Hoje em dia, nenhuma via pavimentada pode ser entregue a população sem as devidas sinalizações, redutores de velocidade, acostamento e ciclovia. Mas a população devido a educação prefere receber o "pretao", que dá voto aos politicos, que ta tudo bem. No Brasil e Pará é comum entregar vias pavimentadas, onde a velocidade aumenta consideravelmente, sem as sinalizações previstas no CTB - Codigo de Transito Brasileiro. Nao adianta culpar a,b,c ou d. Temos que escolher melhor nossos politicos.

Anônimo disse...

Anônimo, ali na transmangueira não é competência da SDU e sim da SPU (secretária de patrimônio da união). Concordo com você em relação a acostamentos e ciclovias, temos que humanizar mais essa cidade.

Anônimo disse...

Que pena , um voto a menos a favor do Carajás no plebiscito.