Pages

sábado, 15 de janeiro de 2011

Tá bom, eu confesso...

A moça flagrada aí, ao sair do meu iglu, é a minha pediatra.
Cê não tem assistente particular?
Né chegado não?
Problema seu...

10 comentários:

Virgilio disse...

Olhe só a blogsfera é uma espaço de divisão, mande a pediatra ou geriatra aquela que cuida dos velhinhos, o que é o meu caso, pra aqui pra casa.

Quaradouro disse...

Geriatra? Só se for pra você, Virgílio.
Minha pediatra é exclusiva. Outros engraçados já se meteram para os lados dela e ouviram o que não desejavam.
Preserve-se, portanto.

Anônimo disse...

Eu já marquei uma consulta com ela...

MARICOTINHA disse...

É, blogueiro, vai sonhando que sonhar não custa nada...rsrsrsrsrs. Tem cada iludido nessa blogsfera, que eu vou te contar...

Quaradouro disse...

Maricotinha, princesa, a senhorita ainda não viu meu atributo...

Maricotinha disse...

Huuuumm, homem que muito se gaba, sei não. Mas tudo bem, eu topo um encontro pra conferir os atributos...

Anônimo disse...

Ademir, a Maricotinha agora te botou numa saia justa.

rsrsrsrsrsrsrsrsrrsrsrs

vai encarar ou vai dar pra trás?

rsrsrsrsrrsrsrsrs

maricotinha, tu né fraca não. contigo é aquele lema: escreveu não leu, o pau comeu.

rsrsrsrsrsrrsrsrs

Anônimo disse...

Vixe!... Vaiar coisa nesse encontro! Sei não... Mostra o abributo pra ela, blogueiro. Mooostra!

Quaradouro disse...

Como você vê, Cotinha, seu açodamento já nos rende torcida organizada.
Num tempo não muito distante, por conta de um desafio desses iríamos logo para um motel aconchegante. Desta urgência sucederam-se filhos, uns 23, calculo assim, conferindo nos dedos.
De bom mesmo, ficou a constatação de que a prática resulta em refinamento. Por exemplo: se antes, era tipo assim "dos ares, urubus; do chão, cururus", agora virou arte da conquista qualificada.
Você quer ver o atributo? Isso é o mínimo...
Mas, até lá, não dispenso o ritual da conquista, dos toques sutis, da troca de olhares românticos, do vinho rosé e dos eflúvios de um bom licor francês. Circunstancialmente, podemos degustar um vinho chileno (em Marabá já existem bons vinhos! com castanhas de caju cearenses, o prazer espraiando-se desde o momento da escolha do cardápio, passando pelo ato de abrir e servir a garrafa levemente gelada no balde.
(Aprendi com os orientais que a beleza do encontro começa com o encantamento da preparação do chá).
Não me incomodarei, depois disso, de passarmos dois a três dias confinados num motel.
Não espere, entretanto, exagero do atributo: é só um eficiente xibiu de querubim.
Quanto às suas qualidades, serei bastante tolerante com elas.

MARICOTINHA disse...

Ora, ora, pois, pois,
Já estou até curiosa pra esse encontro com o guapo blogueiro. Vinhos, castanhas, sugiro também queijos e uma boa música (mpb de primeira, quem sabe tb francesa, italiana), tudo pra combinar com o clima. Qto a procriar, não é o meu objetivo, afinal de contas, preservativo existe pra evitar arrependimentos e transtornos (tipo pensão, DNA, etc). Das poucas vezes que estive em Marabá, não tomei conhecimento da existencia de bons motéis, mas vou confiar na sua escolha. Beijinhos e até logo.