Pages

quinta-feira, 10 de março de 2011

A imunidade dos poderosos, a inércia dos homens de bem e a capacidade de reação

Do blog Olho de Lince. Vale a pena refletir.

Em nosso Estado diariamente são noticiados nos meios de comunicação casos de corrupção: Prefeitos que roubam a merenda das crianças, desviam medicamentos, engordam suas contas bancárias com dinheiro dos nossos impostos; desvios de recursos na folha de pagamento da Assembléia Legislativa; nepotismo cruzado entre o Poder Executivo e o Legislativo; repartição de cargos entre os partidos ;  deputados e senadores envolvidos em casos de corrupção; esfacelamento da máquina pública inchada por temporários apadrinhados; conluio entre empresários e governantes e por ai vai... Por outro lado nunca são noticiados casos de prisão desses malfeitores, muito pelo contrário, o que mais se vê são os pilantras felizes e sorridentes dando entrevistas e falando da grande injustiça de que foram vítimas. E assim  todos temos a triste percepção de que nunca veremos esse quadro mudar e, o que é pior, uma parte da população passa a querer cada vez mais fazer parte do mundo desses privilegiados que enriquecem roubando os cofres públicos, curtindo a vida adoidado com a garantia da impunidade e a certeza de que essa riqueza e condição social será passada para as suas próximas gerações, graças a engrenagem que os sustenta: um sistema de leis elaborado para proteger aqueles que podem pagar e pagar caro e uma sociedade individualista, arcaica, sem uma educação formal que a capacite para enfrentar os podres poderes constituídos.
           No universo daqueles que tem acesso a educação de qualidade e a informação, a inércia dos homens de bem e a lógica capitalista mantém e alimentam o sistema corrupto: Ninguém deixa de falar e nem de conviver socialmente com os bandidos de colarinho branco, que desfilam impunes em seus carrões que valem milhares de dólares; o “beija mão” continua nos salões dos clubes da elite e  nos restaurante caros freqüentados pela “alta roda”, embora nos bastidores todos comentem a origem de tanta riqueza. Afinal, se uma boa parte do dinheiro que circula em nosso Estado e que alimenta a cadeia produtiva ( especialmente no mercado de luxo) vem desse segmento dane-se a ética, a moral, os pobres e os desvalidos!
          No andar de baixo, o povo oprimido, sem acesso ao mínimo garantido pela Constituição, sofre calado e conformado, já que não enxerga saída para essa situação. As bolsas famílias, bolsas trabalhos e outras bolsas que não se pode nominar calam seus gritos, acorrentam suas almas.  Até quando nosso passado de gente espoliada pelo colonizador voraz e feroz nos impedirá de reagir? Até quando nossos educadores continuarão sem compreender a grandeza de seu papel na sociedade?   Quando esses educadores, à revelia do sistema dominante e institucionalizado, passarão a ensinar ao nosso pobre e espoliado povo o caminho do verdadeiro desenvolvimento, que passa pela trilogia que conduziu a revolução francesa : “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”!?

5 comentários:

Blogue Marabá 2012 disse...

Já tive nos professores um fio de esperança. Imaginava que sendo eles pessoas desrespeitadas pelos do andar de cima fizessem alguma coisa na cabeça dos do andar de baixo para esse quadro mudar. Hoje vejo que alguns professores, a grande maioria, defende apenas o seu salário e a permanência no cargo até surgir um outro serviço no setor público. São raros os professores por vocação. E quase todos colocam a culpa no sistema.

Mas que sistema?

O sistema sou eu, você e os outros, quando batemos a porta na cara dos que vem atrás de nós; quando nos acomodamos por estarmos mordendo uma bolinha que esses senhores jogam embaixo da mesa; quando votamos em troca de promessas de empregos e de algumas merrecas ou sacos de cimentos, areia, seixo, barro, tijolos, telhas... O sistema somos nós quando temos uma informação e não a passamos para frente com medo de perder o lugar, de ser superado.

Esse nó foi tão bem feito pelos colonizadores, que jamais será desfeito.

E não adianta tentar mudar quando o indivíduo já está deixando a escola com um “diproma”. Tem que ser mudado na base. Mas olha só, os municípios se apossaram da educação de base. Pelo QI dos educandos que estão saindo do ensino fundamental percebe-se a preocupação dos vereadores e prefeitos locais com a educação de base.

Os políticos, penso eu, pensam que se um indivíduo desses sai da escola sabendo quanto é dois mais dois, ele sairá de seu controle. Só pode ser esse o pensamento e a intenção quando o município brinda aos filhos dos menos favorecidos com essa “educassão”.

Enquanto houver dentro de nós esse sentido de segregação, nós estaremos presos aos troncos e vivendo nas zenzalas, com medo de comer manga com leite porque os sinhozinhos nos disseram que mata.

reporterchagasfilho disse...

Muito bom.
Acrescento a seguinte reflexão: o que mais assusta é saber que todos esses corruptos que nós alimentamos não vieram de outro planeta. Pelo contrário: saíram do meio de nós.
Será que somos como eles?
Tomara que não.
É isso.

Anônimo disse...

Na Câmara Municipal de Tailândia, a cobra vai fumar hoje a tarde. A população vai cobrar o retorno da vereadora Júlia.
Os vereadores corruptos sentaram num porco e vão sair à galope!
O povo quer agora a prestação de contas dos 4 anos que o chefe da quadrilha foi Presidente, e que o MP dê uma resposta sobre a denúncia de Nepotismo de 7 vereadores.

Anônimo disse...

Mas, é importante não perder de vista quem tem o poder de colocar esses corruptos lá em cima. Quem? o povo. Na época de eleição, a oferta de votos por parte da população carente é algo gritante. É nisso que dá vender ou trocar o voto pelo favor. Afinal , nós é que escolhemos quem vai nos governar.Se eximir dessa participação, se colocando como um caso à parte é fingir que não votou, escolheu que está aí. O governo representa o eleitoe que o escolheu.

Anônimo disse...

Se nos somos iguais a eles?
quem é que tenta corromper um guarda de transito?
Quem ´e que sonega impostos?
Quem troca seu voto por favores?
Os meios de comunicação que vendem noticias para quem podem pagar e sonegam informação a população.
Os empresários que financiam políticos para se beneficiarem das estruturas do "estado".E muita hipocrisia afirmar que o mal do brasil são os políticos.Os políticos sai das cidades, das escolas, dos hospitais,dos jornais, dos tribunais.O sistema que estar corrompido, é o Brasil que deve ser passado a limpo.