Pages

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Assassinado mais outro líder camponês

João Chupel Primo, 55 anos, foi morto com um tiro no último sábado, algumas horas depois de denunciar exploração madeireira ilegal na Resex Riozinho do Anfrísio e na Floresta Nacional Trairão.
O Ministério Público Federal pediu à Polícia Federal que garanta proteção para testemunhas que denunciaram, na semana passada, uma rota de retirada ilegal de madeira da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio e da Floresta Nacional Trairão.
Dos três denunciantes, um foi assassinado no último sábado com um tiro na cabeça. O morto é João Chupel Primo que esteve, junto com outros homens, na sede do MPF em Altamira na quinta passada informando detalhes sobre a exploração madeireira na Resex e na Floresta Nacional Trairão.
Para o MPF, o crime tem relação direta com as denúncias que Chupel fez em Altamira. Ele já havia registrado boletins de ocorrência na Polícia Civil de Itaituba e passado detalhes sobre os madeireiros que agem na região para a Polícia Federal em Santarém e para o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela administração das Unidades de Conservação que estão sendo invadidas por madeireiros.
O morto é uma liderança do Projeto de Assentamento Areia e, de acordo com ele, os madeireiros vinham usando o assentamento como porta de entrada para as matas ainda relativamente preservadas que fazem parte do Mosaico de Conservação da Terra do Meio.
O MPF tem três procuradorias atuando no caso, em Altamira, Belém e Santarém e no último sábado pediu que a Polícia Federal abra inquérito para investigar os crimes ambientais na região.

6 comentários:

Anônimo disse...

Pará, Terra Sem Lei e Sem Governo.
Cesar carvalho

Anônimo disse...

Essa é a Reforma agrária do jatene.
Manoel Pires

Anônimo disse...

Uma das perguntas que gostaria de obter resposta diretamente dos líderes do movimento do SIM é sobre o que eles farão e como tratarão a essa questão da exploração inescrupolosa que acontece no sudeste, que vez por outra ceifa a vida de alguém que se diz defensor da natureza. Por favor, sejam bem claro quanto a essa questão. O povo agradece a transparência e sinceridade da resposta.

Ademir Braz disse...

Vamos por parte,anônimo das 12:16. A Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, no município de Altamira (PA), foi criada por decreto do presidente Lula. Está localizada na Terra do Meio, na Bacia Hidrográfica do Rio Xingu, região sudoeste do Estado do Pará, e não no sudeste, como você erroneamente diz.
Sua criação deveu-se ao resultado de um levantamento realizado pela equipe do Programa Xingu do ISA em 2002, a pedido do Ministério do Meio Ambiente. Outro decreto, também assinado ontem pelo presidente, criou a Reserva Extrativista Verde para Sempre, no município de Porto de Moz (PA).
De seu lado, nenhum governo do Pará até hoje se preocupou com reservas extrativistas ou assentamentos de colonos, a pretexto de que são coisas do governo federal. E lava as mãos como Pilatos.
Com o SIM, nós queremos criar algo diferente - inclusive tratar desses temas com a responsabilidade administrativa exigida por eles.
Ser contra isso, como você é, sem sequer saber porquê, é deixar que o descalabro permaneça na gestão do Pará como um todo.

Anônimo disse...

Ademir, não é só isso!

Nós que podemos dizer SIM para um novo estado, temos a convicção de que não é só necessário criar mecanismos legais de PROTEÇÃO. Também é necessário colocar a policia FEDERAL dentro de toda investigação que envolva morte, desmatamento e apropriação ilegal de mundos de terras.
O caso é muito mais complexo do possa parecer. Quer ver? Basta ficar acampados ao lado da barreira da PM às margens do Rio Tocantins e observar que não para de trafegar caminhões, principalmente a noite, transportando carvão, e olha que ali dentro vai muitas árvores que viraram carvão. E ai quem me garante que são de áreas de reflorestamento de EUCALIPTO.
E por falar nesta bendita planta, quem viaja para Belém via Abel Figueiredo vai ver que os desmatamentos de matas nativas estão dando lugar a novos reflorestamentos e alterando toda a paisagem. Me pergunto será que não trafega por ali nem uma autoridade (MPF, PF, JUIZ)? Que absurdo! E quem quiser acreditar, acredite! Pois, tem até placa do IBAMA, dando autorização.
Como diria Boris Casoy: _Isto é uma vergonha!
Será que só sou eu que enxergo isso?

Aurisma Lopes Queiroz disse...

Mataram mais um irmão!