Pages

domingo, 9 de outubro de 2011

Capitão do mato. Feitor de escravos

Do Blog do Miro, sábado 8/10:


Senador quer “chicote” contra presos

Por Altamiro Borges

A retórica fascista não causa calafrios somente na Câmara Federal com o patético deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). No Senado, o recém-empossado Reditário Cassol (PP-RO) discursou nesta semana pregando a adoção de castigo físico nos presídios brasileiros. Ao criticar o pagamento do “auxílio-reclusão” às famílias dos detentos, o senador de Roraima expôs as suas idéias mais retrógradas.
Ele defendeu mudanças no Código Penal, com a adoção de penas mais rigorosas, “para fazer voltar um pouco do velho tempo” – talvez sentindo saudades das torturas dos tempos da ditadura militar. No auge do seu pronunciamento na tribuna do Senado, ele esbravejou que os presos, em caso de indisciplina, deveriam ser tratados à base do “chicote, que nem antigamente”.
“Vagabundo e sem-vergonha”. Quem?
“É isso que precisamos fazer, porque é uma vergonha nacional. O que se vê são famílias preocupadas com assaltantes, famílias preocupadas com os malandros”, disparou, numa crítica, típica dos direitistas, aos defensores dos direitos humanos. Reditário ainda anunciou que apresentará projeto de lei pelo fim da “bolsa-reclusão”, que alimenta “vagabundo e sem-vergonha”.
O novo parlamentar deveria ser mais cauteloso com seus discursos contra os presidiários. Reditário é suplente do próprio filho, o senador licenciado Ivo Cassol. Quando governador de Rondônia, o filho foi acusado pelo Ministério Público Federal por inúmeras falcatruas – fraudes em licitações, desvios de recursos públicos e corrupção eleitoral. Ele quase sofreu impeachment!
Uma surra do pai
Numa dos episódios até hoje não bem explicados, o Ministério Público Federal chegou a pedir ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) abertura de inquérito contra Ivo Cassol, acusado de envolvimento na “extração de diamantes na reserva indígena Roosevelt, do povo Cinta-Larga. Cassol é suspeito dos crimes de responsabilidade, facilitação de contrabando e descaminho e prevaricação”.
Como se observa, ele bem merecia uma "chicotadas" do pai! Mas em casa, não no presídio.

Um comentário:

Leo Gomes disse...

Ademir,
Se esse castigo se estender também aos políticos desonestos do País, vai faltar couro.