Pages

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Sumiu processo do Sintepp

O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará (Sintepp) em Marabá, Wendel Lima Bezerra, denunciou na manhã de ontem, em Marabá, que um Mandado de Segurança impetrado pelo Sintepp contra a prefeitura municipal teria desaparecido da comarca da cidade. Preocupado com a situação, Wendel Lima, disse à imprensa que o sindicato pretende denunciar o desaparecimento do documento junto à Corregedoria do Tribunal de Justiça do Estado, que deverá solicitar informações sobre o caso à comarca de Marabá. "Infelizmente, a gente não pode confiar no Fórum da cidade", queixa-se Wendel Bezerra.
O coordenador disse a O Liberal que o Mandado de Segurança, distribuído para à juíza Maria Aldecy Pissolati, estava requerendo junto a prefeitura da cidade, que o prefeito Maurino Magalhães não descontasse os dias parados dos servidores em greve. Wendel também declarou à reportagem que a magistrada não chegou a julgar o mérito da questão, sendo que a mesma indeferiu o pedido de liminar, determinando abertura de prazo para a manifestação da prefeitura.
De acordo com o coordenador o processo foi manuseado pela última vez quando foi encaminhado para a secretaria do fórum, de onde teria desaparecido. Para a reportagem, Wendel disse que o caso precisa ser apurado com rigor. "O Tribunal precisa apurar essa situação para garantir que os processos contra a prefeitura sejam julgados de forma imparcial", disse.
Procurada pela reportagem na manhã de ontem, a juíza mandou informar, através da assessoria do Fórum, que não iria se pronunciar sobre o assunto. (O Liberal)

11 comentários:

Mural de Marabá disse...

Tempos atrás fui solicitar uma audiência com determinado juiz da comarca, e a orientação que me deram era de levar um ofício e protocolá-lo para que a audiência fosse agendada, acho. Quer dizer, tudo registrado.

Acho que o protocolo serve para rastrear rapidamente o documento, se ele acidentalmente sumir. No protocolo deve constar em detalhes quem o recebeu e para quem foi repassado. Imagino.

Quaradouro disse...

Toda a movimentação de qualquer processo deixa sempre, na secretaria respectiva da Vara, o registro protocolar: quem fez carga, como se diz no jargão, tem assinalado nome, data e hora.Só quem tem acesso aos processos são os advogados das partes. Assim, isso logo será regularizado. Até porque o juiz tem o poder de abrir processo para apurar o desaparecimento dos autos.

Dr. Valdinar Monteiro de Souza disse...

Que que é isso, comunidade jurídica marabaense? Sumiu o processo? Como pode acontecer isso? Logo com um mandado de segurança?... Enquanto isso acontece, muitos professores (mas, muitos mesmo) estão passando sérias dificuldades por causa de desconto ilegal dos dias de greve que sofreram! A juíza Maria Aldecy de Souza Pissolatti, que por sinal foi uma das admiráveis juízas que tive como professora de Direito Processual Civil, sempre fez por merecer o meu respeito. Creio, por isso, que o caso será tratado com todo o rigor que merece e o culpado ou os culpados serão punidos. Não posso deixar de dizer, contudo, que a negativa da liminar – estou me manifestando a partir do que vi na imprensa e da situação real dos professores que conheço – deixou órfãos meu senso de justiça e minha confiança na Justiça! Ora, ora! É de verba alimentar, é de vida – aliás, de periclitação da vida – que se está tratando. Não dá para ficar discutindo o sexo dos anjos enquanto muitos pais de família passam fome, privações e humilhações devidas ao desconto ilegal e absurdo sofrido no contracheque de junho de 2010.
Se isso tal notícia é verdadeira – e aqui não desconfio de ninguém, apenas reconheço a necessidade da devida apuração –, os culpados deverão ser punidos severamente. E, conforme o caso, até denunciado o fato ao Conselho Nacional de Justiça.

Anônimo disse...

Que coincidência o processo sumir exatamente da secretaria da comarca da juíza Pisolati, a mesma juíza que julgou e aprovou sem nenhuma observação as contas do maurino.As mesmas contas que, hoje ele ta sendo julgado de caixa dois.

Anônimo disse...

Se existe o número do Protocolo, com data, hora, assinatura e identificação de quem recebeu e qual seção do Forum, não tá muito difícil de achar o responsavel. Acho eu. Em 11.08.10, Marabá-PA.

Anônimo disse...

Ola pessoal vamos comecar a fazer uma campanha denucia o MAURINO a varios orgaos sente pelo menos meia hora de frente ao computador ou pegue um telefone e comece a denucia ele ao MEC A CGU (controladoria deral da UNIAO) AO ministerio publico ao tribunal de contas do estado e tem varias ONG`s que recebe denucia de desvio de dinheiro publico de ma administracao ok

Anônimo disse...

Espero que a estreita amizade entre a referida magistrada e a chefa da procuradoria do município, M. D. Dra. Aurenice Botelho não tenha nada a ver com o sumisso do processo. Seria mais um vexame para o judiciário, mas que não seria o primeiro nem o último. Eu particularmente, não confio na justiça, pois não tenho dinheiro, poder, nem padrinho do colarinho branco.

Anônimo disse...

E! nos temos que começar a fazer as denuncias para os órgãos fora de marabá, ate mesmo do estado, pois a sensação e que todos foram cooptados pelo prefeito.

Quaradouro disse...

Todos não, das 23:11, todos não!
Eu, pelo menos, ainda não fui chamado pelo Maurino para acertar os por-baixo-do-pano.
E que ele não me venha querer engalobar como faz com os professores!!!!!

wendel lima disse...

É caro Ademir, falar dos blogs é muito fácil... em que que você baseia para afirmar que os professores estão sendo "engalobados"... Afinal você é advogado do SERVIMMAR que nem da greve participaram... talvez você acredite na justiça... eu ainda tenho um pouco d esperança... mas acredite, até lá vamos todos morrer de fome...

você sabe muito bem que os sindcatos são coopitados para apoiar canditos e todo o governo...

mas o SINTEPP não vai entrar nessa... somos totalmente contra... prefiro ir para festa que você e a Idelma estão nos devendo para comemorar a aprovação da Idelma... Lembra?!

Wendel

Quaradouro disse...

Já bebemos, Wendel, e você passou batido eheheheheh